A cidade do Porto preza-se por ser um lugar liberal, um espaço onde a arte não é elitista e não se restringe a classicismos. Depois da relação controversa da arte urbana com a última autarquia, esta forma de expressão tem vindo a destacar-se e a ter reservados locais para se impor. Hoje em dia, um passeio pela cidade dá a entender a cada vez maior abertura da mesma para a criação artística. Foi nesse âmbito que a Câmara do Porto lançou em 2014 um Programa de Arte Urbana. O projeto tem por objetivo contribuir positivamente para a divulgação e sensibilização dessa forma artística, enquadrando-a a nível legal. Mais do que isso, também se tornou numa plataforma para artistas nacionais e sobretudo locais como os artistas Hazul Luzah ou Mr Dheo. Desde o primeiro mural na Rua Alferes Malheiro, perto da Trindade, muitos mais foram aparecendo, tornando a cidade numa tela viva que se caracteriza exatamente por essa sua abertura à contemporaneidade.

É neste sentido então que se tornou interessante a ideia de mapear todos esses murais e organizar um género de visitas guiadas dos mesmos. Com a PortoLazer a cargo da iniciativa, durante o próximo mês de outubro será possível realizar passeios pedestres, de bicicleta ou de tuk-tuk, ou até mesmo um “safari fotográfico” orientado pela dupla de artistas Chei Krew.

Os percursos, distribuídos por 11 pontos de interesse espalham-se pela cidade. Desses pontos, destacam-se três projetos que são estreados através desta iniciativa. Entre eles, está o novo mural do também portuense Frederico Draw, localizado junto ao tabuleiro superior da Ponte Luís I, que é na realidade uma representação figurativa de uma personagem abstrata do Porto. Intitulado “AN.FI.TRI.ÃO.”, o mural é uma maneira de saudar as pessoas que entram na cidade. Outro projeto de destaque tem sido desenvolvido pelos artistas Sílvia Peralta, Catarina Rodrigues, Godmess & SEM, naquilo que é uma parceria com a Escola Superior Artística do Porto e consiste na transformação das caixas de distribuição de energia da EDP espalhadas entre as Rua das Flores e o Largo de São Domingos. Por fim, o último dos três projetos será apenas apresentado no dia 30 deste mês, na Rua Nova da Alfândega. O trabalho de Daniel Eime terá como propósito representar um habitante daquela zona. Eime foi considerado em 2014 como sendo um dos artistas mais relevantes no panorama mundial pelo website I Support Street Art.

Inscrições

Para quem quiser descobrir estes lugares, terá de fazer a inscrição até às 18h da sexta-feira anterior a cada passeio. Todos as informações necessárias – descrição da atividade, itinerários e modo de inscrição – estão disponíveis no site da Câmara do Porto. No caso dos “safaris fotográficos”, a inscrição terá de ser feita até 24h antes do início do mesmo para infoporto@lomografiaportugal.com.

Visitas diferentes para meios diferentes

O meio pelo qual decide fazer a visita, dita também a experiência que vai ter, pois a forma como é realizada é diferente. No caso dos passeios pedestres, os mesmos serão guiados pelos alunos do curso de Artes Visuais e Tecnologias Artísticas da Escola Superior de Educação do Porto. Tem como ponto inicial a Rua da Madeira e passa por seis pontos distintos. Esses passeios irão realizar-se entre as 11h e as 15h durante os sábados e os domingos do mês de outubro e terão uma duração de 40 a 50 minutos.

Para os passeios de bicicleta, que se realizam nos sábados do mês de outubro, será preciso partir da Rua do Ferraz. Aí, seguirá um percurso que passa por 7 instalações artísticas. Será possível realizar o passeio numa das sessões disponíveis (10h, 11h30, 15h e 16h30).

Quanto aos passeios de tuk-tuk, também se realizam durante os sábados do mês de outubro. No primeiro sábado, dia 10, as visitas serão guiadas pelo artista Third. Nas duas semanas seguintes, quem trata de guiar as pessoas é o artista Frederico Draw enquanto que no último sábado do mês, essa tarefa irá recair a Godmess. Os mesmos começam às 11h e às 15h e iniciam-se em frente à “Metamorfose”, ao lado das estação de S.Bento na Avenida Dom Afonso Henriques. Este passeio garante a passagem pela totalidade dos 11 pontos preparados.

Por fim, a última forma de realizar essa visita guiada é através dos denominados “safaris fotográficos”. Estes têm como ponto de partida a Embaixada Lomográfica do Porto, entidade parceira do projeto. Estes passeios acontecerão durante os domingos do mês de outubro e no sábado 31. À semelhança dos passeios de tuk-tuk, também passará pelos 11 pontos preparados para a iniciativa. Nestas sessões, será disponibilizado a cada participante uma máquina fotográfica e um rolo. As fotografias reveladas e digitalizadas (não impressas) serão oferecidas ao participante. A totalidade das etapas está disponível aqui.