A Câmara Municipal do Porto vai exercer o direito de opção de compra do Teatro Sá da Bandeira. A proposta da autarquia foi aprovada por unanimidade esta terça-feira na reunião do Executivo. O negócio está ainda dependente da aprovação da Assembleia Municipal e do Tribunal de Contas.

O presidente da autarquia, Rui Moreira, contou esta manhã aos vereadores ter sido alertado pela vice-presidente Guilhermina Rêgo para a necessidade de uma tomada de decisão sobre o imóvel de forma urgente depois da Câmara ter sido notificada pelos proprietários do Teatro sobre a sua intenção de alienar o património.

Estando localizado na zona de proteção ao Centro Histórico do Porto, a Câmara tem de ser informada da intenção de venda e pode exercer o direito de preferência na compra. “Considerando o seu interesse histórico e cultural para a cidade do Porto”, a Câmara decidiu comprar o imóvel por 2,1 milhões de euros.

“É o teatro mais antigo da cidade”, frisou Rui Moreira, “ainda que funcione hoje noutros moldes”.

O autarca informou ainda os vereadores ter descoberto no processo que o imóvel não se encontra classificado pela Direção-Geral do Património Cultural, nem protegido pelo Plano Diretor Municipal.

O destino a dar ao equipamento ficará para o próximo Executivo. Integrar o Sá da Bandeira na rede dos teatros municipais do Porto é uma das opções em perspetiva.