Já está. Os comandados de Sérgio Conceição deram mais um passo com sucesso desta vez na Taça de Portugal ao baterem o Lusitano de Évora – clube que disputa o campeonato distrital – esta sexta-feira à noite, por 6-0. Competição nova, profissionalismo de sempre. De forma muito resumida, pode dizer-se que o FC Porto foi, sobretudo, muito competente.

O treinador dos dragões deu, neste jogo, oportunidade a jogadores menos utilizados. Do onze tipo dos dragões, apenas começaram o jogo Aboubakar, Brahimi e o capitão Marcano, sendo que nenhum deles o acabou.

Ricardo Pereira também foi chamado a jogar de início, mas desta vez alinhou no corredor esquerdo, dando espaço na direita ao jovem Diogo Dalot.

Este 11 passou uma mensagem clara: o 4-3-3 chegou para ficar. Nem numa partida teoricamente mais acessível, Sérgio Conceição abdicou do seu trio de médios que tanta segurança tem dado à zona intermediária.

Desta vez, Óliver e Otávio (bem melhores na segunda parte do que na primeira), dois criativos, surgiram à frente do trinco improvisado André André mas o destaque foi sempre Brahimi. O argelino esteve muito endiabrado na primeira parte e a sua sociedade com Aboubakar dá cada vez mais frutos. Num minuto apenas (entre os 20 e os 21), os africanos do FC Porto resolveram o jogo: dois golos de Aboubakar e Brahimi nos dois lances – assistiu o camaronês no primeiro e serviu Dalot no segundo, que cruzaria com competência para a cabeça do avançado – a materializarem uma grande entrada dos dragões.

Se o Lusitano, com 2-0 ao intervalo, ainda podia sonhar com um golo na segunda parte que reabrisse a partida, a verdade é que Marcano, logo a abrir o segundo tempo, acabou com todas essas esperanças.

Estava feito o 3-0 e em todo o estádio já se sentia que o vencedor estava definido. Até final, tempo ainda para golos de Otávio, Galeno e, mesmo a acabar, de Hernâni – uma obra de arte de calcanhar mais festejada pela equipa do que pelo próprio.

A festa da Taça não foi ao Alentejo mas a força eborense deslocou-se até à capital. Foi bonita a festa que os adeptos das duas equipas fizeram no Estádio do Restelo numa demonstração de fair-play que serve de exemplo para o futebol português. Final de contas: FC Porto segue em frente na Taça de Portugal, tal como o Sporting tinha feito na véspera e fica agora à espera de conhecer o adversário da quarta eliminatória.

“Houve seriedade durante os 92 minutos”

No final do encontro, Sérgio Conceição era um homem satisfeito com a exibição da sua equipa e, sobretudo, dos jogadores mais jovens: “Foi uma vitória importante porque teve várias situações que me agradaram, falo dos jogadores da equipa B e também de jogadores menos utilizados, que deram uma resposta fantástica”, declarou aos jornalistas.

O técnico deixou mesmo “uma palavra especial” a António Folha e restante equipa técnica da equipa B pelo “trabalho muito bom” que está a ser feito “com estes miúdos”.

Diante deu adversário do campeonato distrital, Sérgio Conceição considerou que a sua equipa deu uma resposta séria: “O mínimo que devíamos ter era seriedade e respeito pelo adversário, são as primeiras caraterísticas para se ganhar o jogo. São forças diferentes e fica aqui uma palavra de apreço pelo esforço que o Lusitano fez. Nós também fizemos o nosso papel, fomos sérios, determinados e ambiciosos, mesmo quando estávamos a ganhar por uma diferença que poderia deixar-nos descansados”, analisou.

O FC Porto segue em frente na Taça mas agora vira-se para a Liga dos Campeões. A preparação do jogo diante do Leipzig (terça-feira, 19h45) arranca já este sábado.