A edição deste ano da Queima das Fitas do Porto pretende ser mais ecológica e sustentável. Num protocolo assinado esta segunda-feira entre a Federação Académica do Porto (FAP) e a Câmara Municipal do Porto foram acordadas as medidas que vão entrar em vigor já este ano. Ficou também garantida a utilização do Queimódromo para as noites da Queima durante os próximos quatro anos.

Ao JPN, João Videira, presidente da FAP, revela que uma das medidas passa pela substituição dos WC químicos em cabines por módulos ligados à rede de saneamento de forma a “reduzir a pegada ecológica no Queimódromo e aumentar o conforto dos participantes na Queima das Fitas”.

Outra das novidades é a substituição de toda a iluminação do recinto por luzes LED e a utilização de geradores “eco friendly“, por forma a rentabilizar gastos com a energia.

Com a sustentabilidade em mente, o presidente da FAP apela também à compra dos bilhetes por via eletrónica “no sentido de reduzir a impressão de bilhetes e poupar algumas centenas de quilos de papel que são utilizados nos bilhetes comprados pelos participantes”.

A redução da poluição sonora é outro aspeto abordado no protocolo assinado hoje. “O sistema de som do palco e da tenda eletrónica é cada vez mais inovador e tende a estancar cada vez mais o som naqueles espaços”, revela João Videira.

Também o espaço do Queimódromo sofreu requalificações, o que resulta num “espaço algo maior” em que vai ser possível “usufruir-se de zonas que não estavam tão bem qualificadas” e o torna num “recinto cada vez mais confortável”, segundo o presidente.

FAP candidata-se ao programa “Selo Verde” do Ministério do Ambiente

João Videira adiantou ainda que a FAP se encontra a ultimar as propostas de candidatura ao programa “Selo Verde”, uma iniciativa do Ministério do Ambiente.

O objetivo passa por receber financiamento que permita “implementar ainda mais medidas ecológicas na Queima das Fitas”, para além das já apresentadas este ano.

“Temos algumas propostas que apenas podem ser implementadas se o projeto for aceite e se recebermos esse financiamento. Caso a candidatura não seja aceite vamos ter de nos adaptar de outra forma e mudar mais lentamente a Queima das Fitas”, revela o estudante.

Monumental Serenata está garantida

Depois da realização da Serenata da Queima das Fitas de Coimbra ter sido posta em causa este ano, o presidente da FAP afirma que o mesmo não vai acontecer no Porto.

“A Academia do Porto é uma academia que sabe estar e sabe o que é. É uma academia que é adulta. Todos os grupos e toda a academia está unida entre si própria e não temos qualquer tipo de problema a esses níveis”, revela o estudante.

40 anos de Queima, 30 de Quim Barreiros

A edição deste ano da Queima das Fitas marca o seu 40º aniversário. Apesar de não adiantar pormenores, o presidente da FAP promete que a data “tem de ser celebrada”.

Apesar de ainda não ter sido divulgado o cartaz, Quim Barreiros já é um nome confirmado. O artista vai subir pela 30ª vez ao palco da Queima na terça-feira (dia 7 de maio).

João Videira admite que vai ser mantido “o mesmo registo na distribuição dos artistas” por dias como é habitual, num cartaz “abrangente” e que pretende ser “para todos, não só para estudantes”.

Plataforma “Study in Porto” é lançada no próximo ano letivo

Plataforma Study In Porto junta FAP, CM Porto, todas as instituições de ensino superior da Academia do Porto, ESN e Uniplaces

Plataforma Study In Porto junta FAP, CM Porto, todas as instituições de ensino superior da Academia do Porto, ESN e Uniplaces Foto: Hugo Moreira

Outro protocolo assinado hoje nos Paços do Concelho marca a criação da plataforma Study In Porto.

A parceria junta a FAP, a Câmara Municipal do Porto, todas as instituições da Academia do Porto, a Uniplaces e a Erasmus Student Network.

“É uma plataforma que pretende servir de apresentação da cidade do Porto e de tudo o que nela existe aos estudantes do ensino superior que estão em mobilidade internacional ou nacional”, revela o presidente da FAP.

Mostrar aos estudantes estrangeiros as instituições de ensino superior da Academia do Porto, soluções de alojamento, meios de deslocação e os espaços culturais da cidade são alguns dos objetivos da plataforma.

Segundo João Videira “a plataforma já está feita”. “Estamos agora na produção dos conteúdos mas a plataforma pretende ser lançada antes do próximo ano letivo começar”, remata.

Artigo editado por Sara Beatriz Monteiro