O executivo da Câmara Municipal do Porto aprovou, esta terça-feira, por unanimidade, a constituição do consórcio que será responsável pela criação do Parque Verde Central da Asprela.

Além do próprio município, integram o grupo a Universidade do Porto, proprietária dos terrenos onde vai nascer o parque, o Politécnico do Porto, que tem várias escolas naquele polo, e a empresa municipal Águas do Porto.

A CMP lidera o consórcio, “respondendo pelo projeto perante o Fundo Ambiental para todos os efeitos de ordem técnica, legal e administrativa e assegurando todas as comunicações com o referido Fundo”, refere a proposta aprovada.

Depois da aprovação do contrato, a próxima fase passa pela abertura de um concurso para a empreitada. A autarquia espera ter a obra no terreno ainda este ano, não se comprometendo ainda com datas. Estima-se que esteja pronto em 2020.

Um parque de ribeiras e árvores

O projeto do Parque Central da Asprela foi apresentado ao Executivo municipal em outubro do ano passado.

Plano virtual aéreo do futuro Parque Central da Asprela.

Na apresentação que fez, Paulo Farinha Marques, professor da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto e coordenador da equipa multidisciplinar responsável pelo projeto, explicou aos presentes que “as ribeiras serão as estrelas deste parque“.

Um parque que será construído em duas fases. A primeira vai começar pela zona do Parque da Quinta de Lamas, onde há uma ribeira que deverá voltar a ver a luz do dia.

No total, o parque terá uma área de 60 mil metros quadrados, serão plantadas mais de 600 árvores, no conjunto das duas fases da obra, serão tratados os cursos de água, criadas bacias de retenção de água, um dique, caminhos, passadiços e pequenas pontes de circulação pedonal, ciclável e adaptada a pessoas com mobilidade reduzida.

O investimento global da obra será de 1,9 milhões de euros. Um milhão será financiado através do Fundo Ambiental criado pelo Ministério do Ambiente. O remanescente será assegurado pela UP, pelo Politécnico do Porto e pela empresa municipal Águas do Porto, a quem competirá, também, o acompanhamento dos trabalhos no terreno.