O FC Porto terminou a Liga NOS com uma vitória sobre o Sporting CP, este sábado, no Estádio do Dragão. A jogar desde os 17′ com menos uma unidade, a equipa leonina ainda conseguiu adiantar-se no marcador, mas Danilo Pereira e Herrera fizeram os golos da reviravolta azul e branca. A vitória não foi, contudo, suficiente para alterar a classificação final do campeonato, que o FC Porto terminou na segunda posição.

Os dragões partiam para o clássico deste sábado em situação desfavorável para vencer o campeonato. Para além de serem obrigados a ganhar, tinham de contar com uma derrota do SL Benfica, o que acabou por não acontecer. O Sporting estava confirmado no terceiro lugar da Liga, sem hipóteses de alcançar o segundo posto.

No meio do azul e do verde, o mais marcante foi o vermelho

Na primeira parte do clássico foram escassas as oportunidades, num jogo com um ritmo pausado. Soares ensaiou um remate à entrada da área, aos seis minutos, arrecadando os primeiros aplausos da plateia.

O jogo continuou sem nada a destacar até aos 17 minutos. Um contra-ataque portista levou Jesús Corona a correr isolado em direção à baliza leonina. Borja agarrou o mexicano e o árbitro assinalou falta, mostrando um cartão amarelo. Contudo, após consultar o videoárbitro e verificar as imagens, Fábio Veríssimo deu ordem de expulsão ao jogador do Sporting.

A inferioridade numérica do Sporting retirou competitividade à partida. Aos 23 minutos, Marega surgiu sem marcação na meia-lua e rematou de forma rasteira ao lado da baliza de Renan. Só aos 42 minutos aconteceu nova oportunidade de golo, através de um livre direto marcado por Alex Telles. O remate à baliza do número 13 portista obrigou Renan a uma boa defesa em mergulho.

Os jogadores recolheram aos balneários com um nulo no marcador. O Porto tinha o domínio da posse de bola, mas faltava criatividade para criar perigo. O Sporting limitava-se a defender e a tentar contra-ataques rapidamente anulados pela defesa dos da casa.

Despedida à capitão

No regresso dos balneários, pouco parecia ter mudado. A segunda parte começou como a anterior tinha terminado. O jogo continuava desinteressante e com poucos eventos a relatar.

A ineficácia do Porto em aproveitar o elemento a mais em campo acabou por ficar cara. Aos 61 minutos, Diaby conduziu um contra-ataque veloz, entregou a bola a Acuña, o argentino envia o esférico para os pés de Luiz Phellype e o avançado na cara de Vaná não vacilou. O Sporting chegava ao golo.

A resposta do Porto tardou e veio através de um remate de Danilo Pereira fora da área, mandando a bola à barra da baliza leonina, aos 73 minutos. Seis minutos depois, o mesmo jogador foi mais eficaz e cabeceou a bola para o fundo das redes, na sequência de um canto. Tudo igual no marcador.

A faltarem dois minutos para o fim de tempo regulamentar, outro canto daria a vitória ao FC Porto.  Felipe desviou a bola com a cabeça para o segundo poste onde Herrera, de costas para a baliza, saltou e rematou de forma acrobática para dar o golo da vitória aos dragões. O último jogo do capitão portista no Estádio do Dragão não podia terminar de melhor forma.

Antes da partida acabar instalou-se uma confusão na linha lateral entre vários jogadores das duas equipas. Fábio Veríssimo expulsou Jesús Corona e distribuiu cartões amarelos por elementos do Sporting. O apito final chegou pouco depois e confirmou a vitória do FC Porto por 2-1.

“O importante era ganhar”

No rescaldo da partida, Sérgio Conceição admitiu que estranhou a primeira parte da sua equipa, mas que no segundo tempo gostou da atitude e da reviravolta do resultado. “Esse é o ADN da equipa“, reiterou.

Em relação à luta pelo título, o técnico portista considerou que à entrada da jornada “era difícil ganhar este campeonato” e, por isso, neste clássico “o importante era ganhar”.

Marcel Keizer não estava satisfeito com o resultado, mas gostou da exibição do Sporting. O treinador leonino achou que os jogadores “reagiram bem” à expulsão.

As duas equipas voltam a defrontar-se no próximo sábado, na final da Taça de Portugal. Jesús Corona e Borja vão cumprir castigo. A partida no Jamor começa às 17h15.

Artigo editado por Filipa Silva