Na passada sexta-feira, vários estudantes do Instituto Superior de Engenharia do Porto (ISEP) foram agredidos, três dos quais necessitaram de tratamento hospitalar, para além de também um segurança.

No seguimento deste acontecimento, o sentimento de insegurança por parte dos alunos reforçou-se e foi até criada uma petição online, que juntou perto de mil assinaturas, para que fossem tomadas medidas adequadas. De facto, a situação naquela zona é tudo menos nova. Já em Junho do ano passado tinha sido fortemente mediatizada a onda de criminalidade que surgiu nas imediações do Pólo Universitário da cidade do Porto, que se definia por assaltos e ataques violentos a alunos que se encontravam nas imediações dos diversos estabelecimentos de ensino localizados na Asprela.

Para tentar ajudar a resolver esta situação, a Associação de Estudantes do ISEP (aeISEP) reuniu na passada segunda com a Polícia de Segurança Pública (PSP) que se comprometeu a reforçar a vigilância nas proximidades da área. Para tal, a PSP irá proceder a patrulhamentos com veículos naquela zona da Asprela e também contará com agentes a pé nas imediações do Instituto, mais particularmente na rua de São Tomé. A Polícia vai também passar a controlar o interior das próprias instalações do estabelecimento de ensino em causa “para prevenir atos de criminalidade no seu interior”, diz a associação em comunicado.

Para promover a segurança, a associação de estudantes e a direção do ISEP, em parceria, irão divulgar quais as medidas a tomar pelos estudantes que se encontrem em situações de emergência, que serão fornecidas pela própria Polícia de Segurança Pública. Mais, também serão providenciados os contactos telefónicos diretos tanto da Vigilância do ISEP como da esquadra da PSP mais próxima, de forma a tentar tornar a capacidade de resposta mais rápida e eficiente.

Além disso, para evitar a circulação de estranhos pelas instalações do pólo, será instaurado um “sistema de controlo de cartão” colocado nos pontos de acesso pedonal, que permite um maior controlo sobre as entradas no estabelecimento. O comunicado divulga ainda que “outras soluções que possam aumentar esse mesmo controlo estão a ser estudadas”.

A associação apela também aos estudantes para que comuniquem “quaisquer situações estranhas presenciadas” pelos mesmos, “dentro ou fora do ISEP”, através do mail geral@aeisep.pt