O FC Porto recebeu e goleou o Estoril por 4-0, esta quarta-feira, no arranque do campeonato. Num fim de tarde quente na cidade invicta, Marega saiu do banco para ser decisivo, e foi autor de dois golos.

O onze do Porto não apresentou surpresas. Aboubakar e Ricardo Pereira, ambos emprestados na época passada, saltaram diretamente para a titularidade da equipa escolhida por Sérgio Conceição. Pedro Emanuel apenas não pôde contar com Fernando Fonseca, jogador emprestado pelos azuis e brancos à equipa do Estoril.

O calor de agosto não afastou os portistas que encheram o Dragão para a abertura da nova temporada, e as oportunidades não tardaram a surgir. À passagem do segundo minuto da partida, Corona roubou a bola ao lateral Joel Ferreira e cruzou para Aboubakar, que não conseguiu finalizar.

Aos 15 minutos foi anulado o primeiro de três golos ao Porto na primeira parte. Quer por falta, quer por fora de jogo, o árbitro Hugo Miguel invalidou corretamente três tentos certeiros às redes defendidas por Moreira, ao longo da partida.

A equipa da Linha demorou a entrar no jogo e só criou perigo ao minuto 20. André Claro deixou Ricardo Pereira para trás e rematou sem ângulo. A bola ainda bateu na parte superior da barra antes de sair para pontapé de baliza.

O FC Porto mostrava que queria vencer a partida, a pressão constante dos dois avançados da equipa azul e branca não permitia ao Estoril construir, recorrendo várias vezes ao passe longo do guarda-redes.

Brahimi e Óliver iam fazendo valer o bilhete dos espectadores. Criatividade, visão e combinações habilidosas foram as palavras de ordem para o número 8 e 10 do Porto. Brahimi marcou um, e Óliver fez dois passes para golo.

Várias oportunidades surgiram para os comandados de Sérgio Conceição, que se iam mostrando muito perdulários no último terço. Aboubakar não esteve em grande plano no que diz respeito à finalização, apesar de uma exibição esforçada do camaronês.

À passagem do minuto 30, Soares caiu no relvado com queixas na coxa. Envolto em lágrimas,  Tiquinho deu lugar a Marega e o impacto foi imediato. Apenas 5 minutos depois, estava inaugurado o marcador. Manu fez um passe demasiado curto para Moreira, e Marega aproveitou a oferta, rematando para o fundo das redes sem oposição.

Do lado da equipa do Estoril, a nova contratação Lucas Evangelista e o médio ofensivo Carlinhos foram os que se apresentaram em melhor plano. O camisola 76 tentou assumir o jogo e não teve problemas em recuar no terreno para ajudar a equipa no movimento defensivo.

Show de Marega e a eficácia do vídeo-árbitro

O Estoril entrou para a segunda parte mais solto, tentando correr atrás do prejuízo. Mas os esforços da equipa de Pedro Emanuel rapidamente se goraram. Brahimi bailou pela ala esquerda, a bola sobrou-lhe num ressalto dentro da área e rematou colocado para o fundo das redes.

A equipa da capital quebrou e o Porto não tardou a fazer o terceiro. Aos 62 minutos, Óliver descobriu a cabeça de Marega que bisou na partida. Exibição inspirada do maliano que se apresentou em grande nível durante toda a partida. Correu, serviu Aboubakar diversas vezes e foi uma constante dor de cabeça para a defesa canarinha.

A equipa do Estoril ia mostrando sinais de vida e Casillas teve de se esforçar para manter a clean sheet.

A 20 minutos do fim, Óliver bateu um livre para o segundo poste e encontrou a cabeça de Marcano, que colocou a bola novamente no fundo da baliza do Estoril. O golo foi inicialmente anulado por fora de jogo, mas o árbitro Hugo Miguel recorreu ao vídeo-árbitro, que validou o golo marcado pelo espanhol.

Com a vitória assegurada, os dragões relaxaram e o Estoril voltou a ameaçar por várias vezes, valendo as intervenções do guardião portista. Ainda deu tempo para Aboubakar voltar a falhar o golo por duas ocasiões e Brahimi esteve muito perto de fazer o bis.

O FC Porto mostrou-se bastante forte neste arranque de campeonato. A manutenção de quase todas as peças do plantel favorecem a equipa comandada por Sérgio Conceição. Os jogadores parecem ter assimilado rapidamente as ideias do treinador português e a boa forma da pré-época traduziu-se numa vitória clara da equipa portista frente a um Estoril incapaz de impôr o seu melhor futebol.

“É uma vitória justa”

Na conferência de imprensa, o treinador dos dragões admitiu que a estreia no dragão “foi um momento emocional”. Em relação ao jogo, Sérgio Conceição fez uma análise muito positiva, “entramos fortes na partida, com muita intensidade”.

O novo treinador do FC Porto espera “não perder ninguém” até ao fecho do mercado, e confirma a confiança no plantel que tem à disposição, “o grupo é fantástico e estamos todos no mesmo barco, a remar para o mesmo lado”.

Sérgio Conceição aproveitou para agradecer “ao mar azul” que se viu no Estádio do Dragão e confirmou que serão feitos exames médicos a Soares para avaliar a gravidada da lesão do ponta de lança.

“Não conseguimos ser competitivos”

Também Pedro Emanuel confirmou que o resultado foi justo, e que a equipa “ficou aquém” do que consegue fazer. O treinador do Estoril acredita que os seus jogadores “estavam preparados para a estratégia do Porto”, mas foram incapazes de ter “capacidade de sofrimento”.

O técnico elogiou a boa entrada na segunda parte, mas “os dois golos de rajada” quebraram o ânimo da equipa.

O treinador português realçou que o plantel sofreu “algumas mudanças” e ainda está “a formatar o modelo de jogo”, e prometeu que a equipa “vai à luta” para disputar os objetivos do clube para a temporada.

O FC Porto volta a entrar em campo este domingo, em Tondela. Já o Estoril, recebe na próxima segunda o Vitória de Guimarães.

Texto editado por Filipa Silva