Jogo grande, em Braga, no final da tarde deste domingo. Os minhotos receberam o FC Porto, num confronto entre o quarto e segundo classificados da época anterior. As duas equipas vinham de uma sequência de vitórias, com ambos os treinadores a prometerem lutar pelos três pontos. No final, foi o FC Porto quem os amealhou. Valeu o golaço de Corona, ainda na primeira parte, para garantir a vitória dos dragões.

Os azuis e brancos procuravam vencer num estádio de onde não saíam vitoriosos há dois anos. Mas mais do que inverter a tendência, o FC Porto não queria deixar fugir o Sporting na liderança, depois de Benfica e Rio Ave terem empatado na véspera.

O Porto apresentou-se com uma alteração na equipa titular. Ricardo Pereira substituiu Maxi Pereira no lado direito da defesa. Já o Braga, mudou metade da equipa que discutiu o play-off da Liga Europa na quinta-feira. Goiano, Rosic, Sequeira, Fransérgio, Fábio Martins e Hassan entraram para os lugares de Esgaio, Raúl Silva, Jefferson, Danilo, Ricardo Horta e Stojilikovic.

Entrada agressiva deu frutos

As duas equipas iniciaram com o mesmo sistema tático mas com ideias distintas. Os minhotos começaram hesitantes, à espera do que o adversário tinha para dar. O Porto não esperou e arrancou desde cedo à procura do golo.

Aos 7 minutos da partida, Rosic tentou cortar uma investida de Brahimi, mas a bola acabou por sobrar para Corona. O mexicano, num gesto tecnicamente perfeito, passou o esférico por cima de Sequeira para depois disparar para a baliza bracarense. Um belo golo que premiou a agressividade inicial dos azuis e brancos.

Após o golo, o domínio portista foi diminuindo e o jogo ficou muito disputado. Houve ocasiões perigosas em ambas as balizas, a um ritmo de jogo frenético.

Os portistas estiveram perto de alargar o marcador com uma sequência de quatro remates na área do Braga e através de Aboubakar, que cabeceou para grande defesa de Matheus à passagem dos 37 minutos.

O intervalo chegou já bem depois dos 45 minutos, devido às muitas paragens prolongadas do jogo, primeiro para assistir o guarda-redes do Braga, que acabou o jogo com o nariz em mau estado, depois Corona e ainda Rosic e Fransérgio em resultado de um choque das cabeças dos dois jogadores.

Ainda antes do apito do árbitro, o Braga conseguiu criar alguns lances de perigo com Xadas em evidência.

Resultado perigoso para tantos falhanços

Sérgio Conceição fez entrar Otávio para o lugar de Corona no arranque da segunda parte. O perigo minhoto antes do intervalo preocupou o técnico portista, que deu indicações para controlar a velocidade do jogo.

O Braga tentava encontrar o caminho para a baliza de Casillas, mas sem sucesso. Com os 90 de Braga, o guardião cumpriu 360 minutos sem sofrer golos e bateu a sua melhor marca da carreira, na época de 2010/11 pelo Real Madrid.

O Porto controlava mas foi muito perdulário à frente da baliza minhota. Aboubakar, isolado por Danilo, falhou na cara de Matheus aos 68, e Alex Telles rematou ao poste à entrada dos últimos dez minutos do tempo regulamentar.

O técnico portista lançou André André e Herrera e a partir daí o jogo congelou. O Braga não tinha bola e os portistas controlaram até ao fim.

O FC Porto venceu num campo difícil e conseguiu manter a invencibilidade na Liga. Os azuis e brancos partilham a liderança com o Sporting, tendo Benfica e Rio Ave na segunda posição. O Braga é sétimo com duas vitórias e duas derrotas.

“Foi uma exibição consistente do FC Porto”

O técnico dos portistas salientou o facto de o Braga não ter tido um remate enquadrado com a baliza de Casillas: “Entrámos fortes no jogo, com uma dinâmica ofensiva muito grande (…) Depois sofremos as transições do Braga, que ainda assim não teve um remate enquadrado à nossa baliza.”

“Há o compromisso da nossa parte de não falar do passado recente do Porto”, afirmou Sérgio Conceição, menosprezando o facto de o Porto não ter vencido em Braga nas últimas duas épocas.

Os portistas presentes tiveram uma palavra de apreço do treinador: “Virem aqui sete mil pessoas é sinal de força. Os adeptos têm-nos apoiado de uma forma incrível porque têm acreditado naquilo que é o nosso trabalho.”

“Gostava de ter apanhado o Porto numa semana limpa”

Abel Ferreira mostrou-se orgulhoso dos seus atletas. “O que me apetece é dar os parabéns aos campeões que tenho lá em cima (…) lutámos até à última gota de suor e disputámos o resultado.”

Quando questionado se o tempo de preparação influenciou o encontro, o técnico respondeu que “gostava de ter apanhado o Porto numa semana limpa”.

O Braga já perdeu duas vezes, uma frente ao Benfica e outra contra o FC Porto. “As duas derrotas que temos, estamos a falar de duas equipas que têm como obrigação vencer o campeonato”, observou. Abel Ferreira falou em “diferença de recursos pessoais” e na “qualidade dos jogadores.”

Artigo editado por Filipa Silva