Foi preciso um prolongamento e muito sofrimento dentro da quadra, mas a seleção portuguesa sai da Eslovénia com o primeiro troféu europeu de futsal da sua história. A equipa das Quinas bateu a Espanha, este sábado, na Eslovénia, por 3-2.

Portugal entrou praticamente a ganhar no jogo com um golo de Ricardinho quando corria ainda o primeiro minuto.

Mas a Espanha daria a volta ao resultado. O empate saiu do pé de Tolrá. A reviravolta, já na segunda metade, foi da autoria de Lin, na sequência de um livre para os espanhóis. Faltavam oito minutos para o fim.

Ricardinho tentou por diversas vezes o golo, mas encontrou em Paco Sedano um oponente à altura. O herói da partida acabaria por ser Bruno Coelho, que saiu lesionado na primeira parte, mas regressou para decidir a partida.

Quando faltavam pouco mais de 3 minutos para acabar, o selecionador Jorge Braz colocou a equipa a jogar com Pedro Cary como guarda-redes avançado. O plano resultou em golo a um minuto e meio do fim. Bruno Coelho empataou a partida e o jogo seguiu para o prolongamento.

O jogo continuou muito equilibrado, com os jogadores a acusarem já algum cansaço. Mas para a equipa portuguesa estava reservado o melhor da partida. E veio da marca dos 10 metros.

Quando ambas as equipas já estavam no limite das cinco faltas – a Espanha falhou, aliás, um livre de 10 metros pouco antes do segundo golo português, que podia ter resolvido a partida a favor dos espanhóis -, o árbitro assinalou uma falta contra a Espanha quando Solano tentava furar a defesa portuguesa. Estávamos a cerca de um minuto do final da partida e Ricardinho estava fora das quatro linhas. Saiu lesionado.

As atenções concentraram-se, contudo, dentro de campo, onde dos 10 metros Bruno Coelho não falhou e assinou a reviravolta que valeu o resultado histórico a Portugal.

Depois do segundo lugar de 2010, quando perdeu com a toda-poderosa Espanha – sete europeus em dez edições – Portugal chega ao tão desejado título europeu de futsal.