Quem chega de metro à zona da Asprela, entre as estações Polo Universitário e IPO, dá de caras com uma zona de mato de aspeto selvagem e abandonado, nas imediações da Faculdade de Desporto da Universidade do Porto. Em breve – mais concretamente em 2020 – o “cartão de visita” deverá ter outro aspeto.

A Câmara Municipal do Porto anunciou este mês que prevê transformar aquela zona (ver mapa) no Parque Central da Asprela, uma nova zona verde na cidade, com espelhos de água, percursos pedonais e cicláveis e especial atenção às acessibilidades para pessoas com mobilidade reduzida.

No centro do projeto, está a reabilitação de 350 metros da Ribeira da Asprela, que ali passa, instalando equipamentos que permitam o controlo hidrográfico desta linha de água. A ideia é conseguir naquele local uma boa drenagem para reduzir a ocorrência de cheias e inundações e estabilizar leitos e margens.

A autarquia candidatou o projeto ao Fundo Ambiental e conseguiu por esta via um milhão de euros de financiamento. O contrato foi assinado com o Ministério do Ambiente a 13 deste mês.

O Parque Central da Asprela representa um investimento total de 1,9 milhões de euros. Os 900 mil em falta vão ser suportados, de acordo com a autarquia, pela Universidade do Porto, Politécnico do Porto e empresa municipal Águas do Porto.

A obra deve arrancar em 2019 e ficar concluída em 2020.