A Liga Portugal convocou uma reunião de urgência com os responsáveis do FC Porto (FCP) e do Boavista, da PSP e da Câmara Municipal do Porto, tendo em conta as notícias que têm sido divulgadas em relação ao encontro dos dois clubes, marcado para 23 de junho, 21h15, noite de São João no Porto.

A reunião decorre esta tarde, desde as 15h30, na sede da Liga, no Porto. Em causa, não estará o adiamento do jogo, como solicitaram as autarquias do Porto e de Gaia na quarta-feira, mas antes “garantir que toda a operação de segurança decorrerá dentro da normalidade necessária para que o jogo se realize na data previamente agendada”, informa a Liga em comunicado.

Esta quarta-feira, as Câmaras Municipais do Porto (CMP) e de Vila Nova de Gaia (CMG) reuniram e sugeriram “ao Governo, às autoridades de saúde e à Liga Portugal” o adiamento do jogo entre o FC Porto e o Boavista. A CMP refere em comunicado que a realização de um dérbi na Invicta “poderá ser um foco de concentração indesejado de adeptos”.

A newsletter “Dragões Diário” desta sexta-feira considera o pedido de adiamento do jogo, pelos autarcas do Porto e de Gaia, como insólito. “Há quase um mês, a 22 de maio, foi divulgado o calendário das últimas dez jornadas do campeonato. Todos os que o consultaram repararam que o dérbi entre o FC Porto e o Boavista tinha sido agendado para 23 de junho, na noite de São João. Passaram várias semanas e ninguém viu qualquer problema”, começa por ler-se na newsletter.

“De repente, a menos de uma semana da sua realização, num momento em que as equipas trabalham em função de uma planificação que incluía aquele encontro naquele dia, naquela hora, parece que passa a ser imperativo reagendá-lo”, continua o texto da newsletter oficial do FC Porto.

Alguém consegue explicar como é que um jogo no Porto na véspera de São João é um drama e um jogo em Lisboa na véspera de Santo António, o Sporting-Paços de Ferreira, foi algo perfeitamente pacífico? E alguém compreende como é que se pode colocar em causa um evento realizado num espaço aberto onde cabem mais de 50 mil pessoas e onde só estarão 189, precisamente na mesma cidade e na mesma noite em que haverá o espetáculo ‘Deixem o Pimba em Paz’ num espaço muitíssimo mais pequeno e com muito mais gente concentrada?”, remata o texto.

Artigo editado por Filipa Silva.